sábado, 30 de janeiro de 2016

Vídeo: A reentrada atmosférica da cápsula da Soyuz

A reentrada atmosférica da cápsula da Soyuz é assustadora, barulhenta e trepidante. Os astronautas dependem de um pára-quedas gigante que é ativado automaticamente.

No vídeo abaixo você vê as imagens feitas pelo astronauta Mike Hopkins da Nasa (da expedição 37/38 que retornou em março de 2014) e um vídeo da Esa.


Nasa divulga fotos para comemorar os doze anos da exploração de Marte

Em 25 de janeiro de 2004, o veículo de exploração espacial Opportunity aterrisou com segurança em Marte, dando continuidade ao plano de reconhecimento do planeta vermelho. Para comemorar os doze anos da missão Opportunity, a Nasa divulgou uma série de imagens registradas pelas câmeras do veículo.

Pesquisadores dando os últimos ajustes nos dois rovers que foram enviados a Marte (Foto: Divulgação/Nasa)


Em julho de 2003, a Nasa lançou no Cabo Canaveral o foguete que levou o veículo Opportunity a Marte (Foto: Divulgação/Nasa)         


202 dias após o lançamento, o Opportunity chegou a Marte; o homem de bigode é Pete Theisinger, chefe da missão (Foto: Divulgação/Nasa)       

Fotografia com Opportunity no centro de uma cratera na região de Meridiani Planum (Foto: Divulgação/Nasa)

O pôr do sol em Marte (Foto: Divulgação/Nasa)


Encosta informalmente apelidada de Wopmay; imagem gerou polêmica por supostas inscrições no rochedo (Foto: Divulgação/Nasa)
Opportunity fotografa as marcas deixadas pelo pouso (Foto: Divulgação/Nasa)
Até Arnold Schwarzenegger, governador da Califórnia na época, acompanhou e comemorou a aterrissagem segura da missão Opportunity (Foto: Divulgação/Nasa)

Dunas marcianas fotografadas em agosto de 2004 (Foto: Divulgação/Nasa)

Panorama da colina Payson, nomeada em homenagem a uma região do Estado do Arizona (Foto: Divulgação/Nasa)

Fotografia do solo de Marte tirada com uma câmera microscópica (Foto: Divulgação/Nasa)

Cratera Victoria vista de lado (Foto: Divulgação/Nasa)

Formação rochosa de Cape St. Mary, com aproximadamente 15 metros de altura (Foto: Divulgação/Nasa)

Fotografia mostrando a trilha deixada pelo veículo Opportunity no solo de Marte (Foto: Divulgação/Nasa)

Victoria é uma cratera de impacto de mais de 730 metros de largura; Opportunity chegou na região em outubro de 2006 (Foto: Divulgação/Nasa)
 Fonte: Revista galileu

domingo, 10 de janeiro de 2016

Missão JUNO

A sonda Juno entrará na órbita de Júpiter em 5 de julho de 2016.

A missão foi lançada em 5 de agosto de 2011 com o objetivo de estudar a atmosfera de Júpiter e de entender os principais gases existentes no planeta.

“Como Júpiter é um planeta gasoso, a Juno tem o compromisso de fazer o mapeamento da atmosfera, ou seja, investigar a formação do corpo celeste, a composição e variação da meteorologia local e as estruturas do campo magnético e gravitacional do planeta”, diz Vanderlei Parro, pesquisador do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da USP (IAG) e diretor do Núcleo de Sistemas Eletrônicos Embarcados (NSEE) do Instituto Mauá de Tecnologia. 

Juno foi a segunda missão escolhida pela Nasa para o programa New Frontiers - tem finalidade de explorar o Sistema Solar, utilizando sondas espaciais de médio porte.

Reia e Titã, as duas maiores luas de Saturno, se alinham para uma foto

E Saturno tem 62 luas!

O diâmetro de Titã é de 5.150 km, o que significa que essa lua é 50% maior do que a nossa. Já Reia é um pouco menor: tem “apenas” 1.528 km de diâmetro.

Apesar de Reia contrastar com o brilho dourado e fraco de Titã, as luas são muito similares em composição, contendo uma mistura de rocha e gelo de água. Estima-se que Reia tenha algo em torno de três quartos de gelo e um quarto de rochas. 

Segundo as observações da sonda Cassini, a lua não contém um núcleo rochoso distinto – ao invés disso, ele é composto de rocha e gelo misturados.

Já essa tonalidade alaranjada de Titã é um resultado de sua atmosfera. Essa imensa lua é o único corpo do nosso sistema solar, além da Terra, a ter uma atmosfera espessa e rica em nitrogênio. 

No caso de Titã, ela também contém substâncias como metano, hidrogênio e hidrocarbonetos. Estas moléculas se formam através de reações com a luz do sol na atmosfera do satélite, estabelecendo altitudes mais baixas para formar aquela fumaça em tons de laranja que você pode ver na foto.

A fotografia foi feita com imagens capturadas em 16 de junho de 2011 usando filtros vermelhos, verdes e azuis pela câmera da sonda Cassini, originalmente divulgada em dezembro de 2013 no site da NASA.

A missão Cassini-Huygens é um projeto cooperativo entre a NASA, a ESA e a Agência Espacial Italiana.

O que é mais atormentador?


sábado, 2 de janeiro de 2016

Feliz 2016



Um forte abraço para todos onde em 2015 estiveram comigo, e para os novos que estão chegando, MUITO OBRIGADO.

Estamos em 2016 e que sua vida a cada dia neste ano, você possa conquistar tudo o que sempre desejou.

Assistam sobre o fato mais impressionante sobre o universo, o vídeo é belissímo.

E se inscrevam no nosso canal: TSU Universo