segunda-feira, 29 de abril de 2013

Cometa C/2012 ISON - Cometa do Século


Localizado a 610 milhões de km do Sol, o cometa C/2012 S1 ISON já chama bastante a atenção dos pesquisadores. Uma nova imagem, feita pelo telescópio espacial Hubble permitiu aos cientistas efetuarem medições mais precisas desse visitante que a cada dia se aproxima mais do Sol. 
A nova imagem, registrada com incrível quantidade de detalhes, revela um intenso jato de partículas geladas sendo soprado na direção oposta do Sol, revelando que o calor e a pressão do vento solar já exercem influência significativa na estrutura do cometa.

A cena também permitiu medir alguns parâmetros físicos e os primeiros números sugerem que o núcleo de ISON tem entre 5 e 6 km de diâmetro, considerado bastante pequeno quando comparado ao alto nível da atividade observada.
A atmosfera do cometa, chamada de coma ou cabeleira foi estimada em 5 mil km, enquanto a esteira de partículas se estende por mais de 90 mil km desde o núcleo. 



 À medida que o cometa se aproxima do Sol e se aquece, mais material gelado será sublimado (passagem do estado sólido para o estado gasoso), o que tornará sua coma ainda maior. Com a aproximação, a pressão do vento solar também será mais intensa e soprará com mais vigor as partículas de gelo e poeira, o que fará a cauda de ISON se entender por milhões de quilômetros. 

 Cometa do Século:
 

No caso do cometa C/2012 S1 ISON, grande aproximação solar - o periélio - prevista para o dia 28 de novembro de 2013 é o que chama a atenção dos astrônomos. Estima-se que neste dia ISON deverá chegar a apenas 1.1 milhão de quilômetros da superfície escaldante da estrela e ninguém sabe exatamente como o cometa vai se comportar.

Se sobreviver à tórrida aproximação, C/2012 S1 ISON poderá se transformar em um dos mais espetaculares cometas de todos os tempos.
De acordo com alguns modelos de magnitude, o brilho será tão forte que poderá atingir até 19 magnitudes negativas. Isso é cerca de 4000 vezes o brilho que o cometa C/1965 S1 Ikeya-Seki apresentou em 1965 ou então 40 vezes o brilho da Lua Cheia e poderá ser visto no céu até mesmo durante o dia.
http://3.bp.blogspot.com/-uWRE8ttmeSo/UH4eNBdm83I/AAAAAAAANrI/BKnePJ1U7Ck/s1600/ISON18thDec5pm.jpg  
Usando um programa como o Stellarium,podemos ver a grandiosidade que nos espera no final do ano

No Brasil:

Se tudo correr como o previsto, ISON poderá ser visto do Brasil nas pré-manhãs antes do periélio de 28 de novembro. Quanto mais próximo do Hemisfério Norte, melhores serão as condições para a observação do cometa, uma vez que a órbita de ISON favorece mais aos observadores daquele hemisfério. Se ISON contornar o Sol como o esperado pelos modelos matemáticos, ambos os hemisférios serão contemplados. Apesar de mais fraco, ainda assim a longa cauda cometária será o verdadeiro show do final do ano.


QUER VER A OUTRA POSTAGEM EXPLICANDO MELHOR SOBRE A VINDA DO COMETA ISON: CLIQUE AQUI


 Binóculos e telescópios é para ver os planetas,as crateras da lua,a estação espacial que passa sobre as nossas cidades,pois bem,se você é como eu,gosta de olhar o céu noturno a olho nu,e quer ter um binóculo ou telescópio,tenho dicas para você comprar e contemplar.Não é fácil,apenas apontar no céu,você precisaria encontrar um ponto de referência,uma constelação,ou um planeta,porque os planetas não param e você terá muita habilidade para acompanha-lo,porque o campo de visão é menor no telescópio do que a olho nu,então se você é um iniciante veja esses tres modelos a seguir: Uma dica no começo é olhar a lua o corpo celeste mais próximo e também ótima imagem de contemplação


 

terça-feira, 23 de abril de 2013

Céu da Argentina é iluminado por meteoro nesta madrugada

Um fenômeno desconhecido, provavelmente um meteoro, iluminou o céu na madrugada deste domingo (21), em províncias do norte e do centro da Argentina, segundo informaram redes sociais e canais locais de TV.


"Pode ter sido um meteorito que se desintegrou ao entrar na atmosfera e causou a luminosidade", indicou o astrônomo Mariano Ribas, do Planetário de Buenos Aires, ao canal C5N.
"Uma bola de fogo iluminou a noite", contaram testemunhas nas redes sociais Twitter e Facebook. Vídeos caseiros e de câmeras de segurança exibidos na TV mostravam o momento em que ocorreu o clarão, às 3h20 locais.
"A única informação que temos são os depoimentos de testemunhas", disse uma fonte policial, que pediu para não ser identificada, em Santiago del Estero.
A maioria das testemunhas disse que o fenômeno lembrou a explosão de um meteoro no céu da Rússia em 15 de fevereiro.
Não houve nenhuma explicação oficial na Argentina sobre a origem do fenômeno, que também produziu um efeito sonoro sentido nas províncias de Santiago del Estero, Chaco, Salta, Córdoba, Tucumán e Catamarca.

http://lh6.ggpht.com/-dcQ301DwouA/UXB0fu3zlvI/AAAAAAAAMGU/wWlRGks5fwY/553044_396016840505601_1533109921_n%25255B3%25255D.jpg?imgmax=800

Chuva de meteoros:

Todo mês de abril ocorre a chuva de meteoros Lirídeas, na constelação de Lira. Neste ano, seu auge foi na madrugada de domingo para segunda-feira (22), às 3h, sendo visto em boa parte do hemisfério Sul do planeta.
Possivelmente, o clarão avistado na região Norte da Argentina pode ter vindo dessa chuva de meteoros, que causa cerca de 20 explosões por hora no seu ponto máximo. A Lirídeas deve continuar até 26 de abril, segundo os astrônomos.
http://1.bp.blogspot.com/-0FTw7OWU0iI/UXaIb37P9iI/AAAAAAAAIJk/wkhmABS6uDg/s1600/6685d7026b8c8c6497d49c499023f998ba3b1734.jpg
Em alguns segundos virou dia na Argentina
 Chuva de Meteoros será constante até dia 26 de abril:

A chuva de meteoros Lirídeas, na constelação de Lira, acontece todo mês de abril, e neste ano seu auge será na madrugada de domingo para segunda (22), às 3h, no hemisfério Sul. Serão cerca de 20 explosões por hora no ponto máximo, mas a chuva deve continuar até 26 de abril.
Apesar de não ser a mais forte chuva de meteoros, as Lirídeas são famosas por terem sido registradas há 2.600 anos, o período mais longo na história. Além disso, no ano de 1803 foram vistos cerca de 100 meteoros por hora, em Virgínia, nos EUA.
 Quando a Terra passa por uma região de intensa poeira espacial (deixada por cometas e asteroides), elas entram em contato com a atmosfera e provocam a chuva de meteoros ou estrelas cadentes. Em 2013, ela ocorre junto com a lua cheia.
Se você quiser tentar ver a chuva, vale escolher uma cadeira confortável e reclinável, ficar longe de luzes da cidade ou de outras fontes que "encobrem" as luzes do fenômeno, e esperar seus olhos se acostumarem com o escuro depois de localizar a constelação no céu.

 Esse não é o episódio único neste ano,confira agora mais eventos celestiais destes meteoros:

Meteoro cai na região do Rio de janeiro
Meteoro deixa mais de MIL feridos na Rússia
Asteróides e Meteoros : O perigo para nosso planeta

Nas próximas postagens irei colocar mapas celestiais,para você que gosta de olhar o céu a noite descobrir o nome da estrela e o seu desenho.

sexta-feira, 19 de abril de 2013

Foguete a fusão nuclear,o mais veloz que o homem já construiu

http://info.abril.com.br/images/materias/2013/04/spacecraft-20130415080835.jpg Pesquisadores da Universidade de Washington (EUA) estão construindo componentes de uma espaçonave alimentada por fusão, o que poderia permitir que os astronautas viajassem para Marte em semanas em vez de meses, a velocidades consideravelmente mais rápidas do que as possíveis hoje.Exemplo das naves de hoje que viajam em média 30.000 KM/H,talvez com essa tecnologia ultrapasse os 150.000 KM/H.
À velocidade de deslocação atual, usando a tecnologia de foguetes de combustível, leva-se meio ano para completar uma jornada a Marte. A nova técnica de fusão promete uma viagem completa em 30 a 90 dias.

Os testes de laboratório com a tecnologia foram bem sucedidos até agora, e os cientistas estão planejando combinar as secções do processo em um único teste final e global em breve.

A técnica:

http://www.inovacaotecnologica.com.br/noticias/imagens/010130130410-foguete-fusao-nuclear-1.jpg

 O dispositivo de fusão testado irá consumir energia sob a forma de eletricidade, e não produzi-la, como outros dispositivos de fusão sendo pesquisados estão tentando conseguir.
A equipe afirma ter desenvolvido uma tecnologia de utilização de um tipo especial de plasma que será revestido de um campo magnético. Quando o plasma é comprimido à alta pressão pelo campo magnético, a fusão nuclear ocorre.
Na prática, o poderoso campo magnético circunda anéis de metal que contêm o plasma, e faz com que eles implodam e comprimam até ao ponto de fusão. O processo leva apenas alguns microssegundos, mas é o bastante para liberar calor suficiente e ionizar os anéis que formam um escudo em torno do plasma.
O metal superaquecido ionizado, por sua vez, é ejetado para fora do foguete a uma alta velocidade, empurrando-o para a frente. Repetir tal processo em intervalos de cerca de 30 segundos ou mais pode impulsionar uma nave espacial.
http://blogdoambientalismo.com/wp-content/uploads/2013/03/fusao-nuclear.jpg
O laboratório onde os cientistas conduzem os experimentos está coberto, de parede a parede, com capacitores azuis que prendem a energia, cada um funcionando como uma bateria de alta tensão. Os capacitores são ligados a um ímã gigante, que abriga a câmara onde a reação de fusão terá lugar. Com o toque de um botão, os capacitores são simultaneamente acionados para liberar um milhão de ampères de eletricidade em uma fração de segundo para o ímã, que rapidamente comprime o anel de metal. O processo mecânico e equipamentos utilizados são razoavelmente simples.

http://s2.glbimg.com/47XbL3v0mBOHT_cA_dBgFGvp7EnPafSvbT0kt7ZrJiFIoz-HdGixxa_8qOZvMp3w/s.glbimg.com/jo/g1/f/original/2012/12/19/soyuz191212.jpg
Em uma viagem espacial real, os cientistas usariam o lítio metálico para dar poder ao foguete. Para os propósitos do laboratório de testes, o alumínio funciona tão bem quanto, portanto foi o metal de escolha.
Vários testes já foram realizados com sucesso no laboratório. Agora, a chave é combinar cada teste isolado em uma experiência final que produzirá a fusão. Os cientistas querem fazer este primeiro teste completo até o final do verão do hemisfério norte (setembro) de 2013.

Sem explosão:

A fusão nuclear pode levantar preocupações devido a sua aplicação em bombas nucleares, mas o seu uso neste cenário é muito diferente, de acordo com os pesquisadores.
A energia de fusão para alimentar um foguete seria reduzida por um fator de um bilhão em comparação a uma bomba de hidrogênio, o que é muito pouco para criar uma explosão significativa.
Além disso, o conceito usa um campo magnético forte para conter o combustível de fusão e orientá-lo com segurança para longe da nave e dos passageiros dentro dela.

Futuro brilhante:

 http://www.cienciakanija.com/wp-content/uploads/dn16682_1_300.jpg

O método é muito eficiente para conduzir uma nave, uma vez que a taxa de impulso é muito mais elevada do que com motores convencionais. Também é superior à tecnologia de íons, que utiliza unidades de energia elétrica a fim de acelerar o combustível utilizado para gerar o impulso.
Na prática, o material de fusão utilizado como combustível consumível ejetado teria uma massa de quilogramas em vez de toneladas, por exemplo, um fator 1.000 vezes menor do que o combustível de foguete – o número exato dependerá do desenho final do dispositivo. Essa leveza e praticidade o tornarão muito mais ideal para uma viagem longa.
A pesquisa foi financiada pela NASA (agraciada entre diversos projetos premiados selecionados entre mais de 700 propostas), na esperança de que a tecnologia substitua o combustível de foguetes e naves espaciais e renda muito mais. Apenas um grão do material que forma o plasma pode equivaler a litros de combustível de foguete.
A massa total de uma nave espacial, incluindo o combustível necessário, poderia, assim, tornar-se consideravelmente menor, tornando a viagem ao espaço profundo muito mais rentável.
“Com os combustíveis de foguetes existentes, é quase impossível para os seres humanos explorar muito além da Terra”, disse o pesquisador John Slough, professor associado de aeronáutica e astronáutica da Universidade de Washington. “Nós queremos oferecer uma fonte muito mais poderosa de energia que poderia eventualmente tornar viagens interplanetárias comuns”.[SWR, Phys, BreatheCast]

 OVNIS:

http://multticlique.com.br/blog/wp-content/uploads/2011/06/a51.jpg

Saindo desta parte científica,as pessoas,os ufólogos que já viram supostos discos voadores que não fazem barulho,atingem uma altíssima velocidade,é por causa desse campo magnético e plasma,seria o ser humano descoberto uma maneira de se viajar no espaço sideral como os tais aliens? Será que um dia veremos discos voadores feitos por nós? Os nazistas de Hitler tentaram,os EUA tentou também em algumas decadas átras,mas hoje o mundo é bem diferente.Veremos se der certo daqui alguns anos no espaço e daqui decadas como turismo espacial,quem sabe? O ser humano é feito de curiosidade e genialidade.

segunda-feira, 15 de abril de 2013

Para Stephen Hawking aliens vão tentar dominar o nosso planeta

http://cdnx.sempretops.com/wp-content/uploads/Stephen-Hawking-Frases-e-teorias-1.jpg

De acordo com o físico, não devemos contar com extraterrestres como os de Spielberg.Se ETs realmente existirem, eles irão querer dominar o planeta.
Para Hawking se eles saíram de sua Terra natal para visitar outros planetas é porque estão tentando explorar ou colonizar outros lugares.
Stephen Hawking tem 68 anos e sofre de uma doença neuro-motora que limitou seu controle sobre a fala e sobre o movimento – mas isso nunca o impediu de contribuir para a comunidade científica.
http://4.bp.blogspot.com/-mYm-4w4ZNp4/TtA1cAL1tiI/AAAAAAAAAK4/_3JG9Wkt1dM/s1600/aliens.jpg

Ultimamente, ele fez uma série de TV chamada “Stephen Hawking’s Universe” (o Universo de Stephen Hawking), na Discovery Channel,ou encontrará os vídeos no Youtube.
Na série ele dá as suas opiniões sobre como seria a vida extraterrestre. Hawking sempre acreditou que os aliens existem – pelo universo ter centenas de milhões de estrelas, com planetas orbitando ao seu redor, os números tornariam impossível que a vida fosse exclusividade da Terra.
Segundo Stephen o problema não é saber se existe vida extraterrestre, mas sim como ela seria. Ele aposta que as espécies não seriam tão exóticas assim, se parecendo com as criaturas que encontramos na terra (desde bactérias a animais mais complexos). O físico admite a possibilidade de que há vida inteligente lá fora e declara, também, que tem medo disso.

 http://i.space.com/images/i/000/005/198/i02/hawking-aliens-100426-02.jpg?1292270353

Na visão de Hawking os aliens seriam criaturas em busca de colônias, o que os tornariam parecidos com os ETs que conhecemos no cinema. “É só olhar para nós mesmos e podemos perceber como a vida pode evoluir. E ela pode evoluir em algo que não queremos conhecer. Os aliens podem ter naves enormes e terem esgotado os recursos de seu planeta, se tornando nômades que buscam uma nova casa” declara.
Ele também diz que enquanto nós colonizamos e conhecemos melhor o espaço, devemos evitar o contato com ETs. “Se encontrarmos ETs ou se ETs nos encontrarem imagino que será como quando Colombo encontrou a América. E o resultado não foi muito bom para os americanos nativos” diz Hawking. [DailyTech]

Cometa 209P/LINEAR fará maior aproximação dos últimos 30 anos

http://www.apolo11.com/imagens/2013/cometa_209p_linear_orbita_aproximacao_20130319-190031.jpg 



















Como se não bastasse o risco de impacto contra Marte, 2014 promete ser uma ano bem movimentado e a Terra não poderia ficar de fora do espetáculo. Nosso planeta também receberá a visita de um cometa e possivelmente uma das maiores chuvas de meteoros dos últimos tempos!  
Batizado de 209P/LINEAR, vez por outra o cometa se aproxima da Terra, mas não tanto quanto o previsto para 29 de maio de 2014. Nesta data, 209P/LINEAR chegará a apenas 8.2 milhões de km da Terra, a menor distância que um cometa já atingiu desde 1983, quando IRAS-Araki-Alcock (C/1983 H1) fez um rasante a 4.6 milhões de km da superfície.

http://www.apolo11.com/imagens/2013/cometa_lemmon_carlos_penna.jpg

Além da aproximação máxima prevista, os cálculos mostram que durante o mês de maio de 2014 a Terra passará no interior de todas as esteiras de poeira deixadas pelo cometa durante os anos de 1803 até 1924. Para os pesquisadores Esko Lyytinen e Peter Jenniskens, a passagem da Terra pela esteira de partículas deverá causar uma das maiores chuvas de meteoros já vistas, observável na constelação da Girafa, com taxa estimada entre 100 e 400 meteoros por hora.
A última vez que 209P/LINEAR passou nas proximidades da Terra foi em 10 de abril de 2009, quando chegou a 38 milhões de km do planeta. 

O cometa:
 

209P/LINEAR tem uma órbita inclinada em 19° e completa uma volta ao redor do Sol em 5.4 anos. Foi descoberto em fevereiro de 2004 pelo projeto LINEAR (Lincoln Near-Earth Asteroid Research) de pesquisas de asteroides próximos à Terra com a ajuda de um telescópio refletor de 1 metro de diâmetro. 


Sua órbita é tão elíptica que quando está no afélio (ponto mais distante do Sol) chega a mais de 750 milhões de km do astro-rei, mas quando se aproxima do periélio (menor distância do Sol) não passa de 136 milhões de km, invadindo as orbitas dos planetas interiores do Sistema Solar.
O último periélio ocorreu em 15 de abril de 2009 e o próximo ocorrerá em 6 de maio de 2014, alguns dias antes da aproximação com a Terra. Olhos no céu!